Tenho Baixa AutoEstima

TENHO AUTOESTIMA BAIXA!

Você já se sentiu feio? Mal amado? Desprezado por não ter qualidade nenhuma?
Eu já!Se você já se sentiu assim, vamos conversar?

E ai novinhos e novinhas!

Segundo pesquisa, 95% das pessoas de nossa sociedade sofrem de baixa autoestima, em outras palavras, quase todo mundo já sofreu com o complexo de inferioridade alguma vez na vida!
Acredito que a porcentagem entre adolescentes chega a 99%!

Eu, no início da adolescência, ficava apavorado quando percebia que todos meus amigos tinham alguma namorada ou estavam com alguém e eu não. Me sentia feio, mas muito feio. Então tinha duas opções, ou saia atacando todo mundo. Sabe aquela pessoa que vive pegando no pé de todo mundo, arrumando apelido, apontando defeito? Então, geralmente essa é uma arma de quem tem baixa autoestima, tirar o foco de si e colocar em outros. Porque enquanto as pessoas estão olhando para os outros, não tem tinham tempo para focar em mim. E eu fica feliz por estar me destacando sendo o comediante! A outra opção que eu escolhia era me isolar e dizer que estava me concentrando nos estudos, ou na igreja, ou em qualquer outra atividade. Fazia isso para me esconder e justificar pra mim mesmo que não namorava com ninguém por opção própria. Mas no fundo, sabia que não namorava por opção das meninas, que nunca me escolhiam.:)

Mas outro comportamento que vejo também, principalmente nas meninas, é o que eu chamo de comportamento vingadoras. No desespero de arrumar alguém saem atirando pra tudo quanto é lado!

É comprovado que esse sentimento de inferioridade é um dos fatores determinantes para distúrbios de ansiedade, isolamento, compulsão alimentar, mau desempenho na escola, desonestidade, depressão, prostituição, uso de droga e delinquência.
Além disso, adolescentes com baixa autoestima tem mais probabilidade de chegar a vida adulta com os mesmos sentimentos negativos.

Então, aqui vão algumas dicas pra tentar de ajudar, e que me ajudaram bastante:

1-Fique claro que não dá pra viver tentando entrar nos padrões de beleza que a sociedade determina.
Pense comigo, até o Moicano do Neymar já foi moda. Então, não é algo tão confiável assim.
2-Mude sua forma de pensar em relação a si mesmo e aos outros. Não seja tão exigente, nem tão negligente. Isto é, seja uma pessoa equilibrada.
3-A opinião dos outros é apenas a opinião dos outros. Você não é obrigado a aceitar como verdade.
4- Fique atento e perceba suas qualidades. Sim, você tem.
5- A Bíblia diz pra aproveitar a juventude e ser feliz. Então, pare com esse mimimi, porque você é alguém que tem potencial, tem a sua beleza, seu charme, e não é porque as pessoas ainda não perceberam isso que você vai ficar ai sofrendo né.
6- Converse com alguém de confiança sobre seu sentimento, pode ser seus pais, um amigo, pastor, psicólogo, padre…

Espero ter te ajudado. Se quiser conversar, chama aqui estão minhas redes sociais!

Esse foi o vídeo de hoje
Comente ai embaixo como você faz pra ter autoestima!
Dê like neste vídeo, não se esqueça!
Se inscreva no canal e seja avisado quando sair os próximos vídeos.
Compartilhe nas suas redes sociais
Aqui estão as minhas redes sociais e fui.

Redes Sociais:
http://www.facebook.com/meperguntaram
http://www.twitter.com/prjuniooliveira
http://www.youtube.com/juniojoliveira1
http://www.instagram.com/MEPERGUNTARAM_JUNIO

Anúncios

Deus pode ser engraçado!

Ninguém ri de Deus em um hospital
Ninguém ri de Deus em uma guerra
Ninguém está rindo de Deus quando está morrendo de fome, congelando ou muito pobre.

Ninguém ri de Deus quando o médico liga depois de alguns exames rotineiros
Ninguém está rindo de Deus, quando já é muito tarde
E é a sua criança que não voltou da festa ainda
Ninguém ri de Deus quando o avião começa a tremer incontrolavelmente
Ninguém ri de Deus quando vêem que a pessoa que eles amam
Está lado a lado com outra pessoa e eles esperam estar enganados

Ninguém ri de Deus quando a polícia bate à sua porta
E eles dizem: tenho más notícias, senhor.
Ninguém está rindo de Deus quando há fome, incêndio ou inundação.

Mas Deus pode ser engraçado
Em um coquetel quando você ouve uma tremenda piada sobre Ele
Ou quando os loucos dizem que Ele nos odeia
E eles estão com o rosto tão vermelho que você acha que eles vão engasgar

Deus pode ser engraçado
Quando dizem que Ele pode te dar muito dinheiro se você orar do jeito certo
E quando Ele parece um gênio que faz mágica como o Houdini
Ou concede desejos como o Grilo Falante e o Papai Noel
Deus pode ser tão hilário!
Ha ha
Ha ha

Ninguém ri de Deus em um hospital
Ninguém ri de Deus em uma guerra
Ninguém está rindo de Deus quando perde tudo o que tem
E não sabe pra quê

Ninguém ri de Deus no dia em que eles notam que estão vendo a última coisa que vão ver
É um par odioso de olhos.
Ninguém está rindo de Deus quando dizem “adeus”.

Mas Deus pode ser engraçado
Em um coquetel quando você ouve uma tremenda piada sobre Ele
Ou quando os loucos dizem que Ele nos odeia
E eles estão com o rosto tão vermelho que você acha que eles vão engasgar

Deus pode ser engraçado
Quando dizem que Ele pode te dar muito dinheiro se você orardo jeito certo
E quando Ele parece um gênio que faz mágica como o Houdini
Ou concede desejos como o Grilo Falante e o Papai Noel
Deus pode ser tão hilário!

Ninguém ri de Deus em um hospital
Ninguém ri de Deus em uma guerra
Ninguém ri de Deus em um hospital
Ninguém ri de Deus em uma guerra
Ninguém ri de Deus em um hospital
Ninguém ri de Deus em uma guerra

Ninguém está rindo de Deus quando está morrendo de fome, congelando ou muito pobre.

Ninguém está rindo de Deus
Ninguém está rindo de Deus
Ninguém está rindo de Deus
Ninguém está rindo de Deus
Nós todos estamos rindo com Deus.

Autora: Regina Spektor
Música: Laughing With

Qual o limite no namoro cristão?

QUAL O LIMITE NO NAMORO.png

-Olá novinhas e novinhas, tudo bem com vocês?

Você está namorando ou pensa em namorar. Mas sabe que namoro e santidade são palavras que vivem em conflito né, até para aqueles mais “fortes”. E então, qual o limite do namoro?

Quem faz essa pergunta é porque quer saber o que pode e o que não pode. E espera que a resposta seja:

-Pode abraçar, mas sem encostar muito.

-Podem ficar juntos, mas não em lugares isolados.

Podem ir ao cinema, mas sem abraçar e beijar.

-Podem assistir filmes, mas que não estimulem vocês sexualmente.

 –Pode beijar, mas sem por a língua.

-Na hora que der vontade de se agarrar, se abracem e orem.

Mas não é uma lista de pode não pode que vai responder essa pergunta?

Sabe por que ? Porque não funciona!

Quando a gente descobre o limite a gente faz de tudo pra ficar perto desse limite. Bem na beirada. Pra sentir a adrenalina do quase, do escapei.

A gente se converte, mas parece que nossos hormônios são rebeldes e adoram convencer a gente a quebrar regras!

Quanto mais escondido, proibido e fora das regras, melhor, mais empolgante, excitante e gostoso.

Então, falar de proibido e permitido é chover no molhado.

Mas e aí, qual é o limite no namoro cristão?

Acho que devemos resumir tudo em 1 Corintos 6;18: Fuja da imoralidade sexual.

Parece fácil, mas não é. Colocar as palavras fuja e sexual na mesma frase parece até contradição.

Olhando a atualidade podemos perceber que tem casal que faz exatamente o contrário, quando namora corre em direção ao sexo, quando casa foge.

Todo conselho da Bíblia serve para nos preservar de algum risco, porém, a gente não escuta.

Por exemplo, a Bíblia diz, não deva a ninguém, mas a gente se enche de fatura e depois fica noite sem dormir pensando em como pagar e põe a culpa no tal “espirito devorador, capeta, demônio, sendo que foi a gente que assinou o cheque, colocou a senha no cartão ou pediu dinheiro emprestado.

A bíblia diz pra gente deixar a preguiça e ir em busca do sustento diário. Mas o cara quer dormir o dia inteiro e espera o emprego bater na porta dele.

A Bíblia diz Fuja da Imoralidade sexual, mas o que a galera faz é correr em direção a ela. E aí, o que se vê é muito relacionamento cheio de contato fisico, mas sem amor.

O contrário de amor não é apenas o ódio. Usar a pessoa para simplesmente satisfazer seus prazeres e vontades, também é não amar.

USE O TEMPO DE NAMORO PARA CONHECER SEU PARCEIRO. SABER QUAL SÃO AS PREFERENCIAS, QUAL O TEMPERAMENTO, COMO TRATA SEUS FAMILIARES, COMO TE RESPEITA, COMO SE COMPORTA DIANTE DOS PROBLEMAS.

TEM CASAIS QUE CASAM CONHECENDO TODAS AS PREFERENCIAS SEXUAIS DO OUTRO, MAS NÃO CONHECE A PERSONALIDADE.

AI QUANDO AS CONTAS CHEGAM, ALGUÉM ADOECE, OS PROBLEMAS SURGEM, NENHUM DOS DOIS TEM CONHECIMENTO OU MATURIDADE PARA RESOLVER.,  ENTÃO, O CAMINHO MAIS CURTO É O DIVÓRCIO OU A TRAIÇÃO.

Então, quer ter um namoro dentro da vontade de Deus?

Fuja, fique longe, saia de perto dos limites. Não ande nos extremos. Ande no centro da vontade de Deus. E TENHA UM RELACIONAMENTO DE VERDADE COM A PESSOA QUE VOCÊ GOSTA.

Esse é o vídeo de hoje, espero que tenha gostado. Por favor, deixe seu like no vídeo. Deixe seu comentário aqui EMBAIXO. Se inscreva no canal e ajude a divulgar, compartilhando nas redes sociais.

Sou mais pecador que você!

Sem títuloHá algo que não é disputado: o título de maior pecador (e tenha certeza que não é por falta de candidatos).

Geralmente as aparências, atitudes, e opiniões são para mostrar que temos um maior relacionamento com Deus do que meu próximo. Ou ainda, que sou abençoado por que fiz por onde. Afinal, eu mereço. Sem contar que somos implacáveis com os erros dos outros e compassivos com nossos próprios deslizes.

O curioso é perceber que no Evangelho ensinado por Cristo o erro do outro é comparado a um cisco enquanto o nosso próprio vacilo como um galho de árvore. Ou seja, temos que olhar com misericórdia para o outro percebendo que somos também pecadores e não temos o direito de condenar quem quer que seja.

Mas o que fazemos? Varremos nossos erros para debaixo do tapete da religião,cobrimos nossas falhas com boas obras e assim temos a aprovação de todos e nos enganamos.

Que possamos retirar as máscaras e perceber que diante de Deus “todos pecaram” e que “não ha um justo sequer.” Além de imitar Paulo, que diante da percepção da carência da graça de Deus, se auto proclamou ” o maior dos pecadores.”

Pena que isso já não está na moda.

{Mateus 7:4-5; Romanos 3:23; Romanos 3:10 ; 1 Timóteo 1:15}

Junio Oliveira

Jejum, oração e doação: Pra quê servem?

Junio Oliveira

A prática das disciplinas espirituais, como jejum, oração e doação ao próximo não podem alterar o que Deus pensa, pode fazer e sente ao meu respeito. Mas podem transformar a maneira que eu penso, posso fazer e o que eu sinto em relação a Ele e a meu próximo.

Aquele que jejua mais, ora mais e faz obras de caridade/amor/solidariedade/missão não se torna um ser mais amado por Deus ou obtém o poder de manipular a agenda de Deus dizendo o que Ele deve fazer nesse e naquele dia (Prosperidade na segunda, Cura na terça, Família na Quarta, Dons na quinta e Libertação na sexta), muito menos ganhará a oportunidade de exigir algo de Deus. Não, definitivamente esse não é o objetivo dessas práticas espirituais.

O jejum pode me ensinar que sou humano e dependente de alimento, água, nutrientes, vitaminas. Esquecer-se disso me faz sentir ilimitado, poderoso, santo, independente. Sabemos o quanto são perigosos esses sentimentos. Na prática do jejum somos despertados a perceber que habitamos um corpo finito, com uma mente pecaminosa e interesseira e que busca o tempo todo satisfazer o desejo do nosso coração.

Quando oramos praticamos a fé e a humildade. Fé porque não vemos Deus, que é espírito. Mas notamos, com a certeza da existência do invisível, que Ele é real e humildemente reconhecemos que Ele está acima de nós, pois é o “Pai que está nos céus.” É na oração que Deus transforma as nossas emoções e sentimentos. É no momento de oração, leitura da Palavra e adoração que a “boa, perfeita e agradável vontade de Deus” nos é apresentada e plantada em nosso coração. A oração acalma, direciona e conduz nossos atos.

Quem reconhece sua humanidade pecaminosa e dependente é capaz de olhar o próximo com compaixão e empatia. Quem compreende a vontade de Deus é despertado a agir e ser agente de transformação na vida de outro ser humano. E não busca reconhecimento por isso, pois sabe que está fazendo somente o que lhe é devido.

O jejum, a oração e a doação ao próximo quando praticadas seguindo o exemplo de Jesus nos levam a cruz, isto é, a entregar nossa vida pelo outro. Por outro lado, a entrega nos permite ressuscitar com Ele vivendo uma vida que vale a pena, sempre.

É PRECISO TER SANGUE DE BARATA ?

Alguns pensam que a dificuldade em ser cristão está em abrir mão de bebedeiras, baladas, deixar de ouvir alguns tipos de músicas, usar roupas comportadas, não fazer tatuagem, ir a igreja aos domingos, carregar a Bíblia, seja em papel ou num aplicativo do Smartphone, não falar palavrão, decorar alguns versos das Escrituras e sair por aí falando o famoso “evangeliquês”, incluído o “a paz do Senhor”, “tá na benção”, “´tá amarrado”, entre outros.

Sinceramente desejaria mesmo que fosse assim. Seria fácil, mas muito fácil mesmo. Porém ser cristão ou seguir a fé cristã, como preferem alguns, é algo muito mais de dentro. É mudança de caráter, de alma, de espírito e exige uma transformação tão impactante que Jesus a comparou como um novo nascimento.

Os Evangelhos deixam claro como é ser um seguidor de Jesus Cristo. Tentando resumir tudo o que diz lá, a conclusão é: “Negue-se a si mesmo, tome a sua cruz diariamente e siga-me”. (Lucas 9:23)

Essa frase, pequena e fácil de memorizar, carrega uma mensagem que poucos têm coragem de seguir. Basta olhar para uma parte do Sermão da Montanha para logo percebemos que um comportamento cristão é algo que vai além de regrinhas de pode e não pode.

Se você é um seguidor de Jesus você provavelmente não se importa quando faz um favor pra alguém e nem sequer recebe um elogio. Pelo contrário, você continua servindo com amor e cuidado. Afinal, você não espera nada em troca do que doa aos outros, seja tempo, amor, cuidado ou respeito. (Mateus 6:2-4)

Pegando um gancho, vamos analisar sobre o respeito. Um dos sinais que você entendeu a fé cristã é conseguir levar desaforo pra casa, engolir sapo, fazer papel de bobo ou qualquer outra expressão que signifique ser desrespeitado e ainda continuar amando a pessoa que quis lhe ofender. Acredito que isso é oferecer a outra face. Para uma face violenta precisamos oferecer a face da compaixão, misericórdia, paz. (Mateus 5:39)

Você é uma pessoa que perdoa até perder a conta.  Na verdade, não conta. Pois sabe que perdoar não tem limite, graças a Deus por isso! (Mateus 6:14-15)

Quando ora, quase não pede coisas pra você, mas é um intercessor na prática. Prática que deve ser discreta, no silêncio do seu quarto, com a porta fechada, em secredo. Pois servir a Cristo traz à consciência de que intimidade com Deus é assunto tão intimo que deve ficar apenas entre você e Ele. Mas os efeitos desse relacionamento deve ser tempero para o mundo e a sua presença na sociedade dá gosto à vida e ilumina o caminho dos outros, tudo por causa de Cristo em você. (Mateus 5:13-16 e 6:5-6)

Se estiver louvando em comunidade você tem a consciência que deve cantar sempre ao lado de um irmão, percebendo suas dificuldades e dores, disposto a amar. Mesmo que esse irmão seja odiado e desprezado por todos. (Mateus 7:1-5)

Sabe aquele momento em que as pessoas são ingratas com você e te crucificam? A frase que deve sair dos seus lábios é um pedido de perdão a Deus por eles. Pois você sabe que eles ainda não sabem o que fazem, pois desconhecem a Deus. Nada de pedir justiça, vingança ou coisa parecida. Apenas perdão. (Mateus 5:43-48)

Concluo comas palavras de Paulo aos Gálatas:

“Explico o que aconteceu comigo: tentei guardar as regras e me esforçar para agradar Deus, mas isso não funcionou. Então, desisti de ser um “homem da lei” para me tornar um “homem de Deus”. A vida de Cristo me mostrou como fazer isso e me deu capacidade de viver assim. Eu me identifico totalmente com ele. De fato, fui crucificado com Cristo. Meu ego não ocupa mais o primeiro lugar. Pouco me importa parecer justo ou ter um bom conceito entre vocês: não estou mais tentando impressionar Deus. Agora Cristo vive em mim. A vida que vivo não é “minha”, mas é vivida pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim. E eu não volto mais atrás.” (Gálatas 2.19-21)

Você deve pensar que ser cristão é ter sangue de barata, na verdade ser Cristão é ser coberto pelo sangue de Cristo.

Fiquem na Paz!

Pr.Junio Oliveira

A internet me tornou livre, só que não.

Junio Oliveira

Cada vez mais, o monitor do nosso computador é uma espécie de espelho que reflete nossos próprios interesses, baseando-se na análise de nossos cliques feitos por observadores algoritimos.

 (Eli Pariser – O filtro invisível)

Quando acesso as redes sociais ou quando faço uma simples pesquisa no Google me transporto para outro mundo.  Neste mundo não há mais distância, limites. Imerso neste ambiente virtual sou onipresente, estou aqui, na palma da mão de alguém ou na timeline de outro. Sinto-me também onipotente, afinal, on line consigo pagar contas, fazer empréstimos, participar de reuniões, jogar conversa fora, bisbilhotar a vida alheia sem ser notado, dar a minha opinião sobre qualquer assunto, enfim, posso tudo! E graças a onisciência do Instagram, Facebook e Twitter, tenho conhecimento do que acontece aqui e lá. E o melhor, em tempo real.

Esse poder, concedido pela tecnologia, me conduz à sensação de liberdade plena. Não há cercas no mundo virtual e essa liberdade misturada à sensação de anonimato é uma combinação prazerosa, sonho de consumo dos nossos antepassados. Para quem viveu numa geração que precisava enfrentar horas em uma biblioteca para entregar um trabalho escolar manuscrito, aguardava pacientemente a fita cassete ser rebobinada para entregá-la a locadora (caso contrário, pagava-se a multa), achava que sms era o ápice da pós-modernidade e assistia lutas de BOXE na Globo com a certeza de que eram ao vivo, ter a oportunidade de viver essa presente era é algo extraordinário. Libertador.

Porém Eli Pariser, em seu livro O filtro invisível, trata de desmitificar essa falsa impressão de divindade e poder que nos contagia na internet. Com dados consistentes o autor nos apresenta o outro lado da tela de nosso computador. Minhas visitas nas páginas encantadoras do Facebook não passam desapercebidas pelas empresas de marketing, desenvolvedores de produtos e quaisquer outro segmento que por algum motivo ou clique, combina com meu estilo de vida. É assustador saber que a cada busca feita na internet cerca de 64 cookies (que podem ser entendidos como “rastreadores de comportamento virtual”) são instalados no meu computador,tablet ou smartphone com  a intenção de traçar meu perfil e oferecer promoções, sites e tudo mais que esteja de acordo com meu gosto virtual. Ou seja, toda a onipotência, onisciência e onipresença percebidas por mim vão apenas até onde minhas preferências alcançam.

É como uma biblioteca na qual os livros que gosto mais estivessem sempre ao alcance de minhas mãos, enquanto os outros estariam nos lugares mais altos e de difícil acesso. A princípio isso pode parecer prático e funcional, porém traz consigo o malefício do que chamo de “vicio da mesma informação”. Ou seja, sempre visitarei os mesmos sites, terei contato com as mesmas noticias, visualizarei as postagens das mesmas pessoas nas redes sociais e encontrarei resultados de pesquisas parecidos com temas com os quais concordo. É como o corretor ortográfico do meu celular que “adivinha” o que eu vou escrever quando digitei apenas uma mísera letrinha!

Virei uma cobaia de empresas diversas. Alias, toda a sociedade está assim. Estamos todos presos nesse ciclo virtual de oferta e procura. Até as nossas preferências são vendidas.

Estamos todos livremente presos, contaminados pela compulsão de estarmos conectados. Compulsão que nos leva a traição virtual, vícios esmagadores, gastos excessivos, solidão e uma falsa vida real vivida somente nas redes sociais e compartilhamos o que temos que compartilhar, sem perceber que fomos induzidos. Talvez até essa postagem surgiu dessa influência invasora. A Amazon me sugeriu um livro sobre internet, tema do meu TCC, comprei o livro e estou escrevendo sobre ele, divulgando-o de graça, enfim, sempre dá certo…

A MARCA DA BESTA: O CHIP NOSSO DE CADA DIA

Junio Oliveira

Há alguns dias tenho observado na timeline do meu Facebook constantes postagem sobre o vídeo abaixo, no qual a presidente (ou presidenta) Dilma fala sobre unificar os documentos em um chip para facilitar a nossa vida (e esvaziar nossa carteira que carrega mais documentos que dinheiro, diga-se de passagem).

Pois bem, antes de você entrar em crise e sair correndo pela rua (ou compartilhando esse vídeo) feito um louco, com medo do chip, dizendo que prefere morrer a se render a “marca da besta”, peço que leia o que diz Apocalipse 13, que é o texto bíblico que fala sobre esse sinal, se estiver sem a Bíblia por perto ou com preguiça de abrir vou facilitar: 🙂

Depois vi um monstro que subia do mar. Ele tinha dez chifres e sete cabeças, uma coroa em cada um dos chifres e nomes, que eram blasfêmias, escritos nas cabeças. O monstro que vi parecia um leopardo; os seus pés eram como os de um urso, e a sua boca era como a de um leão. E ao monstro o dragão deu o seu poder, o seu trono e grande autoridade. Uma das cabeças do monstro parecia que tinha recebido um golpe mortal, mas a ferida havia sarado. O mundo inteiro ficou admirado e seguiu o monstro. Todos adoravam o dragão porque ele tinha dado a sua autoridade ao monstro. Eles adoravam também o monstro, dizendo:

— Quem é tão forte como o monstro? Quem pode lutar contra ele?

Foi permitido ao monstro se gabar da sua autoridade e dizer blasfêmias contra Deus. E ele recebeu autoridade para agir durante quarenta e dois meses. Ele começou a blasfemar contra Deus, contra o seu nome, contra o lugar onde ele mora e contra todos os que vivem no céu. Foi permitido que ele lutasse contra o povo de Deus e o vencesse. E também recebeu autoridade sobre todas as tribos, nações, línguas e raças. Todos os que vivem na terra o adorarão, menos aqueles que, desde antes da criação do mundo, têm o nome escrito no Livro da Vida, o qual pertence ao Cordeiro, que foi morto. Portanto, se vocês quiserem ouvir, escutem bem isto: Quem tem de ser preso será preso; quem tem de ser morto pela espada será morto pela espada.

Isso exige que o povo de Deus agüente o sofrimento com paciência e seja fiel.

Então vi outro monstro, que subia da terra. Ele tinha dois chifres parecidos com os de um carneiro, mas falava como um dragão. Usava toda a autoridade do primeiro monstro, na sua presença. Forçava a terra e todos os que moram nela a adorarem o primeiro monstro, aquele cuja ferida mortal havia sido curada. Esse segundo monstro fez coisas espantosas. Fez com que caísse fogo do céu sobre a terra, na presença de todas as pessoas. E enganou todos os povos da terra, por meio das coisas que lhe foi permitido fazer na presença do primeiro monstro. O segundo monstro disse a todos os povos do mundo que fizessem uma imagem em honra ao outro monstro, que havia sido ferido pela espada e não havia morrido. O segundo monstro recebeu poder de soprar vida na imagem do primeiro, para que ela pudesse falar e matar todos os que não a adorassem. Ele obrigou todas as pessoas, importantes e humildes, ricas e pobres, escravas e livres, a terem um sinal na mão direita ou na testa. Ninguém podia comprar ou vender, a não ser que tivesse esse sinal, isto é, o nome do monstro ou o número do nome dele.

Isso exige sabedoria. Quem é inteligente pode descobrir o que o número do monstro quer dizer, pois o número representa o nome de um ser humano. O seu número é seiscentos e sessenta e seis.”

Então, segundo a Bíblia, livro que nós cristãos, temos como base de fé, a Besta terá um domínio mundial, controlará a economia e será admirado e adorado por quase todos os habitantes da terra por causa dos feitos milagrosos que será capaz de fazer. O texto é claro em afirmar que “aqueles que, desde antes da criação do mundo, têm o nome escrito no Livro da Vida, o qual pertence ao Cordeiro, que foi morto” não estarão entre os adoradores desse dominador mundial e que somente aqueles que não possuem o nome escrito no Livro da Vida terão seus corpos marcados (de forma visível e clara) com o sinal da Besta.

Então vamos a questão: O sinal será um chip implantando na pele?

Bom, se a Bíblia diz que será algo visível, então isso reduz as possibilidades de algo por dentro da pele. E, além disso, o texto não afirma que será um chip. Ao longo da história o 666 foi relacionado à tecnologia, como no caso do processador Pentium 666, ao código de barras, a Disney, ao Google, ao WWW da internet, ao chip do cartão de crédito, ao Vaticano, ao cartão Visa, a Coca-Cola, enfim, tudo especulação e sem contexto bíblico.

O avanço tecnológico poderá ser usado para auxiliar na dominação econômica mundial, mas colocar a culpa no chip é negar a realidade já existente. Usamos o chip no cartão para pagar a passagem no ônibus, no banco, nos celulares, tablets, computadores, notebooks, no crachá da empresa e não vejo ninguém dizer nada sobre isso. Os chips e microchips já existem e dominaram o mundo (graças a Deus) para facilitar nossas vidas.

Acredito que precisamos ler mais a Bíblia e menos postagens sensacionalistas no Facebook. Se você é cristão, e acredita na Bíblia, não precisa se preocupar com o tal sinal da Besta, seja ele o que for, pois somente os adoradores dela serão marcados. Cristãos se ocupam pensando na volta de Cristo e por isso vivem imitando a Jesus, amando o próximo e ensinando tudo que tem aprendido nos evangelhos. Então pare de compartilhar postagens falsas, sem fontes seguras (sobre o fim do mundo, desastres naturais, doenças raras, salvar o bebê, seqüestradores de crianças, terrorismo político, etc.) e com contextos diferentes da Bíblia, seja por Facebook, Instagram,  Whatsapp ou qualquer outro meio. Somos o povo da verdade e não dos boatos. Nossa fé é baseada na Bíblia, não em falácias.